quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Na guerrilha das marcas, use o escudo simbólico.


Não subestime o poder da comunicação.

Recentemente, falamos sobre os neologismos ligados à propaganda e o fenômeno da "experiência". O termo refere-se aos valores intangíveis agregados a uma marca e que, portanto, aumentariam o seu valor de consumo. 

Kolynos: teve gente que ao saber que a
linha ia ser descontinuada decidiu
fazer um estoque da marca para o
"resto da vida."
Trouxemos o tema à baila porque ele reflete uma importante mudança nos cenários de consumo e acenam para uma prática muito posterior a 2014. 
Sim, não é algo novo. E, embora tenhamos convocado um famoso chef para sair "gourmetizando" tudo por aí, a verdade é que o campo de batalha das marcas anda cada vez mais acirrado.

O cenário atual tem se caracterizado por uma imensa pulverização de marcas - de todos os tipos, para todos os públicos - e ao consumidor o poder de escolha é maior. Diante de tanta concorrência, caberá a ele decidir sobre o quê, como, quando e onde pagar. O poder de escolha é imenso: podemos acessar uma das muitas lojas virtuais, podemos visitar um dos muitos shoppings ou mesmo, escolher entre as lojinhas do bairro. 

E não se engane, a "lojinha do bairro" não apenas compete com as outras lojas do mesmo bairro, mas com lojas de outras partes do mundo. 
Exagero? É o poder da fusão das tecnologias. E espere por cada vez mais. É imprevisível sabermos até onde as novas tecnologias nos levarão, o que sabemos é que tudo muda, constantemente.

Diante de um cenário mutante e heterogêneo como garantir a longevidade de um negócio? 

APOSTANDO NA IDENTIDADE DE SUA MARCA. 

Uma marca pode ser diferenciada das demais através de seus benefícios racionais ou emocionais.
Exemplificando: posso vender um carro por sua potência - um atributo funcional - ou pelo
Tem gente que quer o Chocolate Surpresa de volta.
Iniciativa do Portal Administradores.
Tem até evento fake no facebook para isso.
status que ele trará ao dono - conteúdo emocional.

Quando falamos sobre o processo de "gourmetização" ou o fato de muitas marcas apostarem na experiência para alardearem seu potencial simbólico é que, cada vez mais, os produtos se assemelham em benefícios funcionais. Afinal, desde a Era da Revolução Industrial notamos uma notável democratização tecnológica. 

Assim, explica-se a grande leva de "experiências" vividas com a presença das marcas. A marca torna-se não apenas algo que diferencia um produto, mas um símbolo que caracteriza o consumidor, ainda que ele se distancie da característica que admira. E, portanto, pensemos na marca como algo também mutável. 
Pensar assim, é acompanhar o ritmo de uma sociedade que valoriza o individual, a imagem. 

A marca sofre um processo de personificação e estabelece uma relação profunda com seu consumidor. É fácil perceber esse fenômeno! Quantas fanpages existem para relembrar um marca querida? 

É a marca que o consumidor conhece e se relaciona. Não o empresário. Ou os empresários. Ou ainda, a fábrica. 
No entanto, é importante pensar que, nos dias de hoje tudo é comunicação. 

Desde o espaço físico de sua loja/empresa passando pelo material de divulgação até os funcionários. Lembre-se: uma identidade de marca é mutável, portanto, cuide bem para estudar seu público. E, principalmente, ouvi-lo.


FONTE:
"Comunicação como fator estratégico da empresa" in Revista ESPM.



Nenhum comentário:

Postar um comentário